Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima


1 comentário

VIVÊNCIA DO LABIRINTO – O JOGO INICIÁTICO DA OCA

Labirinto          Um trabalho que se apresenta como profunda ferramenta de autoconhecimento.

          É um jogo metaforicamente ligado ao Caminho de Santiago de Compostella.

          Também conhecido como o Jogo do Ganso, é basicamente um jogo de tabuleiro com dado e 63 casas a serem percorridas de forma espiral.

          O Jogo da Oca contêm os arquétipos do Tarô, a Numerologia, os arquétipos da Mitologia Templária, e tem o formato em labirinto, como uma mandala, que gira de forma espiralada, e vai dando respostas. O labirinto também é um símbolo de radiestesia, e portanto, “limpa”…. ”abre as situações”….

          A Oca é o ganso, que para os antigos é a Ave Fênix, que representa o renascimento.

          É uma vivência incrível, que mais do que um jogo ou uma meditação no Labirinto, simboliza o caminhar da Vida de uma pessoa.

          O workshop será ministrado por Helena Gerenstadt, historiadora, pesquisadora e conceituada terapeuta holística.

Data: 3 de setembro, sábado, às 13 horas

Investimento: R$ 80,00 – Vagas Limitadas!

Local: Av. Sto Antonio, 2153, sala 73, Bela Vista,  Osasco.

Informações e inscrições: Mariúza Pelloso Lima – mariúzapelima@yahoo.com.br

Telefone: (011) 99603-7651

Anúncios


1 comentário

Curando velhas feridas…

Curar feridas coração Maturidade

“O homem quer ser feliz mesmo quando vive de modo a impossibilitar a felicidade”.

Santo Agostinho    

         

          A maturidade é uma fase muito especial para nos conhecermos verdadeiramente, para retirarmos as vendas dos olhos, aguçarmos a visão interna e abrirmos o coração para o autoperdão.

          Nos revezes da vida, acusamos, na maioria das vezes, o outro, pelo fato das coisas acontecerem de determinada maneira, e não do jeito que queríamos. A culpa é sempre do outro.

          Raras vezes observamos nossas atitudes e as reações que elas causam nas pessoas que nos rodeiam. Só vemos o outro. E assim, vamos acumulando raivas, tristezas, inseguranças, abrindo feridas emocionais que com o passar do tempo, somatizam-se em doenças.

          Procuramos ignorar o que sentimos, valorizando o imediatismo, o que vem de fora para cegar ainda mais nossos olhos com a normose social.

          A maturidade favorece a reflexão do que fizemos no transcorrer da nossa vida: o que semeamos, o que regamos e o que colhemos. Daí, para a velhice, é possível uma nova metamorfose: o que posso mudar em mim, ou acrescentar na minha vida, que me fará muito mais feliz e saudável?

          Chegou a hora da introspecção!!!

          Ter calma, tranquilidade para nos ouvirmos e termos coragem de conhecer quem somos efetivamente, sem máscaras, sem receio.

          Essa conscientização é fundamental para nós. É tempo de corrigir o rumo da nossa existência, sem pressa, mas caminhando… É tempo de encarar honestamente as feridas que continuam abertas e que tentamos aprisioná-las lá no fundinho do coração.

          Remexer em tudo isso dói, mas liberta!!!!

          Maturidade é ter a capacidade de ir um pouco mais fundo no que incomoda pessoalmente e ter a coragem de descobrir que as feridas podem ser cicatrizadas, removidas por um amor incondicional a nós mesmos.

          Como bem o diz Dostoiévski, “A maior felicidade é conhecer a fonte da infelicidade”.

          A fonte da nossa identidade está nas qualidades do coração. Quando ele se fecha e se bloqueia, deixamos de sentir-nos amados e valorizados, e começam as feridas… Quando o coração se abre, sabemos quem somos, reconhecemos e apreciamos nossa verdadeira natureza. E, sentimo-nos amados e valorizados.

          Quando nos autoperdoamos, ou perdoamos o outro, vem o fluir da vida, seu perfume … seu sabor adocicado. E as feridas se vão … o coração volta a pulsar com ardor, renascido, de bem com a vida!

          E sua criança ferida se metamorfoseia na criança divina!


Deixe um comentário

Conflitos na Maturidade

Reinventar-se          Vivenciamos uma maturidade bastante diferenciada e diversificada.  Mudanças rápidas e contínuas geradas pelos setores econômicos, sociais, estruturas familiares, como também alta tecnologia, principalmente nos meios de comunicação, estão causando impacto no envelhecimento das pessoas.

          Esse contexto traz inquietações aos envelhescentes porque a longevidade se prolonga cada vez mais. E como enfrentar e se reorganizar frente a tudo isso?

          Quando é aconselhável se aposentar? Estando aposentado, a renda permitirá ter uma vida saudável e confortável?

          Pelas estatísticas atuais, vemos que cada vez mais brasileiros trabalham depois de aposentados para manterem por mais tempo seu conforto e terem suas necessidades atendidas.

          É necessário se preparar para a aposentadoria. Além do fator econômico, há o psicológico, emocional, afetivo.

          É importante se organizar para poder desfrutar dessa fase.   Reaproximar-se dos amigos ou participar de novos grupos é imprescindível.

          A família também passa por transformações, com o casal trabalhando fora, diminuição do número de filhos, crianças em creches, moradias pequenas, ficando cada vez mais difícil ter tempo e espaço para cuidar dos mais velhos.

          Aumenta o número de envelhescentes, que devido à viuvez ou separação, moram sozinhos. Esta opção é para aqueles que têm autonomia física, financeira, que conseguem fazer suas atividades rotineiras. Muitos, na velhice, continuam sós, mas com um cuidador para auxiliá-los.

          Pessoas na faixa de 50-60 anos estão se separando pela incompatibilidade de interesses, porque o envelhecimento do homem e da mulher são muito diferentes, chegando a causar profunda irritabilidade, desmotivação, inclusive depressão.

          Os novos envelhescentes estão reinventando a velhice de hoje para sobreviverem felizes, saudáveis e realizados. É a geração “ageless”, que significa “sem idade!” Nos anos 60 quebraram muitos paradigmas, buscando a paz. Agora são envelhescentes que continuam transgredindo tabus. Não querem ser invisíveis, infelizes ou deprimidos. Querem continuar a dançar, cantar, estudar, trabalhar, criar, amar, viajar, quebrando o antigo modelo de envelhecimento solitário, doentio.

          Um grande desafio na maturidade é o envelhecimento corporal, dificilmente aceito pelas pessoas. Pelo fato da sociedade supervalorizar o jovem, envelhecer se torna sinônimo de decadência, minimizando todas as belezas e a sabedoria que advêm dele.

          Assim como a vida é movimento, o envelhecimento também é contínuo. Saber envelhecer é saber viver, com todos os desafios, ousadia e felicidade.

“ Tudo o que você for para você mesmo, você será para os outros.

Se você se amar, amará os outros.

Se estiver fluindo com o seu ser, estará fluindo em envolvimentos afetivos.

Se você estiver congelado por dentro, estará também congelado por fora.

O interior tende a se tornar o exterior, insiste em se manifestar no exterior.”

OSHO


Deixe um comentário

Projeto Leituras: O Médico Jesus


O medico Jesus Maturidade 

O Médico Jesus

José Carlos De Lucca

Nobel continental shopping

Você é seu remédio

“Viver sem amor, compaixão ou qualquer outro valor espiritual cria um estado de desequilíbrio tão grave que todas as células anseiam por corrigi-lo. Em última análise, é isso que existe por trás do início da doença.”

Dr. Deepak Chopra

          É um livro escrito em linguagem simples e envolvente, com ensinamentos do Dr. Bezerra de Menezes, psicografados por Dr. José Carlos De Lucca.

          Inclui muitos estudos da Medicina Psicossomática, demonstrando como os sentimentos e emoções em desequilíbrio nos causam doenças e como nosso comportamento diante das doenças pode retardar o processo de cura.

“Cada página um remédio, cada lição uma cirurgia interior realizada com o bisturi do amor”.

          Em cada capítulo entenderemos que :

  • a dor e o sofrimento nos remetem à busca da cura do corpo e da alma;
  • que o verdadeiro perdão nos liberta;
  • que a caridade nos afasta da depressão e da apatia;
  • que a paz e a serenidade são conquistas do dia-a-dia, alcançadas com a prática da paciência, da alteridade e da compreensão;
  • e que a alegria e o sorriso fazem parte da nossa cura.

          Nos mostra que a doença de agora foi construída ao longo de muito tempo. Portanto, a cura também precisa de tempo para se estabelecer, e esse tempo é mais ou menos proporcional à assimilação das lições que a enfermidade nos trouxe.

          Paciência é remédio!

“Aceite total e completamente o que acontecer a você para que possa apreciar e aprender, e depois relaxar”. (Deepak Chopra)

          Um trecho da Oração a Jesus:

“Querido Mestre, ampara-me para que jamais me falte esperança na cura e a paciência para suportar as dores do momento.

Divino Terapeuta, ajuda-me a não me sentir um pobre coitado e não me inclinar à autopiedade, pois isso seria o que de pior poderia me acontecer.

Sustenta-me para que, sem desprezar a ajuda dos médicos da Terra, eu encontre em mim os canais da cura, pois se fui capaz de criar minhas doenças, tenho também todas as condições de recuperar a saúde….”