Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima

João, meu Pai – por Risomar Fasanaro

7 Comentários

Alzheimer_Maturidade_Externo          Um pai cuidadoso comigo, que fazia questão de ir me buscar no ponto do ônibus a um quilômetro de distância, quando eu voltava da faculdade, já próximo da meia-noite. Muitas vezes não havia assistido a nenhuma aula, só participado da agitação política, em 68, na rua Maria Antônia, São Paulo.

          Alguns anos depois era ele que fazia questão de abrir o portão da garagem, para eu sair com o carro, por mais que eu insistisse para não fazer aquilo.

          Homem de pouco estudo, lia o jornal de ponta a ponta diariamente. Adorava meus amigos e, podendo, fazia sempre parte da roda.

          Em julho de 1995 quatro anos depois de sofrer um AVC, minha mãe faleceu; e um mês depois, no dia 7 de setembro, ele acordou me dizendo que estava pescando com um amigo. Onde papai? Ali… no riozinho atrás da casa. Mas papai, rio no asfalto? É…pesquei muitos peixes. Eu e meu amigo…

          Um frio percorreu meu corpo. Naquele instante percebi que aquele novo amigo que com ele conviveria durante quatro anos não era uma boa companhia. Mas que fazer?

          Quando crianças e começamos a andar em má companhia, os pais têm poder para nos afastar deles, mas quando já adultos, e os vemos mal acompanhados, nada podemos fazer. Só nos resta a resignação. E eu sabia: era um amigo que há tempos rondava nossa casa, e com ele tentava fazer amizade. E meu pai se envolveu tão fortemente com aquele amigo, que se esqueceu de nós, de nossa casa, de mim.

          Muito conhecido na cidade, um dia voltou para casa trazido por um camburão da polícia. Seu pai não queria voltar, o policial me disse. Disse que morava em Natal. Mas um dos nossos o conhece… Ele havia feito vários exames, e no dia seguinte levei-o ao médico para mostrá-los.

          O médico atendia outros clientes que também eram amigos daquele estranho senhor. E foi ali que vim a saber seu nome: Sr. Alzheimer. Ele, dizia o médico, é do mal. E era o responsável por meu pai ter se afastado de todos nós. E eu, àquela altura já sabia: nada poderia fazer para romper aquela amizade.

          Penso que ele se aproximou daquele amigo por não suportar a saudade de minha mãe. Aquela nova amizade era tão forte, que ele esqueceu minha mãe para sempre. Nunca mais falou nela.

          Em vez de lutar contra aquele senhor que não saía de perto de meu pai, resolvi aliar-me a ele. Morávamos em uma casa imensa, muito antiga, com portas e janelas enormes.

          E foi ali que ele e Alzheimer encontraram uma porta que lhes possibilitava viajar através do tempo. Achei aquilo tão fascinante, que resolvi viajar com eles. Freqüentemente íamos à Revolução Constitucionalista de 32. Frequentemente meu pai me convidava a ir com eles. Dizia: “feche, feche as janelas, menina, feche e se atire no chão, que o inimigo está chegando”. Na mesma hora eu fechava as grandes janelas da sala e me atirava ao solo. “Fique quieta, não fale, que eles podem perceber nossa presença”. E eu ficava ali: cinco, dez, quinze minutos, no escuro, esperando o inimigo ir embora.

          Em 1932, um dos seus irmãos, Chico, viera de Natal para lutar ao lado de Getúlio, enquanto meu pai lutava por São Paulo. Por isso sua preocupação era não ferir o irmão em algum combate. Quando íamos os três para a Revolução, ele repetia sempre: “cuidado, cuidado que Chico pode estar nesse pelotão, veja bem antes de atirar…”

          Às vezes algum amigo ligava e perguntava: “por que liguei tanto e você não atendeu? Ou: “por que você demorou tanto a atender?” e eu precisava explicar: “eu estava lutando na Revolução de 32…” O que sempre provocava risos do outro lado da linha.

         Outras vezes era para o Cabo de Santo Agostinho, litoral de Pernambuco, em 1945 que viajávamos. E ele me ordenava: “apague as luzes, os alemães podem nos ver aqui…” E ficávamos os três: ele Alzeheimer e eu no escuro, em silêncio, até que ele se convencesse de que o inimigo fora embora e me desse ordem de voltar a 1998.

          Uma ocasião chegou um grupo de amigos meus, e meu pai, muito preocupado, me chamou e cochichou em meu ouvido: “esse pessoal não disse a senha…” Tentei tranqüilizá-lo: “papai, são meus amigos, não se preocupe…” E ele muito apreensivo: “então peça e anote o RG de cada um. Não diga a eles que meu nome é João. Não se pode confiar em ninguém, aqui…”

          De repente me chamou e disse: “peça a eles que falem mais baixo…” E perguntei: Por que, papai? E ele, com aqueles olhos verdes que tinham perdido completamente o brilho, desde a morte de minha mãe, me olhou tristemente e respondeu: “eu estou aqui camuflado…”

          Um filho pode aprender muito com um pai, mas sem dúvida alguma, aquelas últimas lições que dele recebi sobre a fragilidade da vida, da lucidez, sobre a importância de agarrar cada segundo que temos como se fosse o último, de valorizar cada gesto delicado que nos vem de uma pessoa querida, talvez tenham sido as mais valiosas de toda minha vida, pois não aprendi em nenhum livro, aprendi com aquele homem simples, que tendo sido militar, era tão terno quanto pode ser um jardineiro, ou um Poeta. Tão terno, tão doce quanto deve ser um pai. Um verdadeiro Pai.

Risomar Fasanaro – professora de lingua e literatura brasileira e portuguesa 

Anúncios

7 pensamentos sobre “João, meu Pai – por Risomar Fasanaro

  1. Linda homenagem Risomar, sei bem o que é isso, já que meu pai, cuja história é bem parecida com a do seu, também foi perseguido por 4 anos por este “maldito alemão”. Fica aqui o meu respeito e minha admiração não só por seu pai, mas também por você que como filha soube cuidar, valorizar e entender os momento de crise vividos por seu genitor. Parabéns amiga e que estas palavras sirvam de exemplo a muitos filhos espalhados por este mundo de meu Deus que esqueceram, por algum motivo, que um dia também poderão ser as vítimas.

  2. Risomar, eu sempre imagino que quando um ente querido é acometido desse mal a gente sofre a perda antes da partida física. Vc teve a benção de achar uma passagem e chegar até ele, conviver e partilhar esse espaço e tempo para o qual ele havia partido. Parabéns, amiga, vc conseguiu adiar a perda. Vc soube demonstrar o amor na hora mais escura. Muito bonito e inspirador seu texto. Abraço.

  3. Risomar, minha gratidão pela sua participação no portal da maturidade, com um testemunho tão comovente. Você vivificou seu amor paternal, dando muito acolhimento ao seu pai, garantindo uma comunicação amorosa até quando Deus o permitiu.

  4. Amiga, li o seu texto logo que postou. Não pude comentar naquele momento, pois estava com compromissos urgentes e inadiáveis. Mas o seu texto não me saiu da cabeça um só minuto durante todo o dia em que estive ocupada. Vezes por outra me flagrava relembrando a sua história comovente. Sem ter conhecido o senhor seu pai, sem sequer a conhecer pessoalmente, fui levada para dentro de sua vivência com o coração apertado e os olhos marejantes de lágrimas. Chorei por ele, mas confesso que chorei mais por você. Ao transformar as fantasias do seu pai numa realidade vivida a dois, você o poupou do constrangimento de se sentir perdido no mundo para o qual ele se transportou. Foi a maior demonstração de amor que uma filha pode dar a um pai acometido desse mal terrível, o que você fez foi tirar seu pai da condição de apenas existir, foi como se tivesse lhe devolvido a memória que perdeu. Sua história é comovente e também muito útil, as pessoas que possuem algum dos seus familiares sofrendo de Alzheimer, tenho certeza, gostariam de seguir seu maravilhoso exemplo de filha amantíssima, se tivessem acesso ao seu texto, espelhar-se-iam no seu modo inteligente e carinhoso para oferecer ao seu ente querido uma melhor qualidade de vida, apesar de tudo. Parabéns pela grande escritora que é. Beijos.

  5. Muito comovente, não conheço vc mas a admiro profundamente, pela sua generosidade, pelo seu imenso amor por seu pai e pela sua disponibilidade em entrar no mundo particular dele e tornar mais fácil essa dura jornada. Meus sinceros respeitos.

  6. Ana Rúbia, Vera Felice, Lusa Vilar, Laudenice, Mariúza,

    Somente agora vi os comentários tão generosos de vocês, e deixo aqui o meu abraço e o meu carinho a cada uma de vocês.

  7. Que amor lindo pelo pai !

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s