Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima


Deixe um comentário

Curso – Tecendo o caminho da nossa vida

envelhecer-maturidade          …. dos aromas, dos sabores, das músicas, das cores, das pessoas da nossa infância, da nossa adolescência, da juventude, da maturidade … vamos tecendo a nossa vida, entrelaçando fios.

          Em todas essas passagens há inúmeras aprendizagens, carinhos, alegrias, tristezas e saudades que nos tornaram essa pessoa que somos hoje.

          Mas ainda não estamos prontos!

          Sempre haverá algo novo para ser integrado na nossa vida: saída dos filhos de casa, a vinda dos netos, novos grupos de amigos, algumas perdas de entes queridos, sinalizando que ainda estamos em construção.

          Há muitos anos nos esperando e queremos vivê-los com intensidade!

          Vamos reconhecer e acolher nossa criança, nosso adolescente, o adulto e o envelhescente que trazemos em nós?

          Gostaria de ajudá-los nessa integração.

          Proponho-lhes uma jornada emocionante e divertida de 3 dias!

“Acolher e unir a criança, o adolescente, o adulto e o envelhescente que vivem em nós.”

          O objetivo desse curso é acionar nossa memória subjetiva da infância, da adolescência, da juventude, do adulto e trazer essas forças curativas armazenadas para nos ajudar na vida presente.

          No final do curso cada participante terá confeccionado um pequeno livro.

         Turmas em dois horários:

         Quartas-feiras (14h às 16:30h)
         Dias: 15/03 – 22/03 – 29/03

         Quintas-feiras (18h30 às 20:30h)
         Dias: 16/03 – 23/03 – 30/03

         Inscrições : (o11) 99603-7651       Investimento: a consultar

         LOCAL: Av. Santo Antonio, 2153 (sala 73) Bela Vista, Osasco/SP

Anúncios


1 comentário

Curando velhas feridas…

Curar feridas coração Maturidade

“O homem quer ser feliz mesmo quando vive de modo a impossibilitar a felicidade”.

Santo Agostinho    

         

          A maturidade é uma fase muito especial para nos conhecermos verdadeiramente, para retirarmos as vendas dos olhos, aguçarmos a visão interna e abrirmos o coração para o autoperdão.

          Nos revezes da vida, acusamos, na maioria das vezes, o outro, pelo fato das coisas acontecerem de determinada maneira, e não do jeito que queríamos. A culpa é sempre do outro.

          Raras vezes observamos nossas atitudes e as reações que elas causam nas pessoas que nos rodeiam. Só vemos o outro. E assim, vamos acumulando raivas, tristezas, inseguranças, abrindo feridas emocionais que com o passar do tempo, somatizam-se em doenças.

          Procuramos ignorar o que sentimos, valorizando o imediatismo, o que vem de fora para cegar ainda mais nossos olhos com a normose social.

          A maturidade favorece a reflexão do que fizemos no transcorrer da nossa vida: o que semeamos, o que regamos e o que colhemos. Daí, para a velhice, é possível uma nova metamorfose: o que posso mudar em mim, ou acrescentar na minha vida, que me fará muito mais feliz e saudável?

          Chegou a hora da introspecção!!!

          Ter calma, tranquilidade para nos ouvirmos e termos coragem de conhecer quem somos efetivamente, sem máscaras, sem receio.

          Essa conscientização é fundamental para nós. É tempo de corrigir o rumo da nossa existência, sem pressa, mas caminhando… É tempo de encarar honestamente as feridas que continuam abertas e que tentamos aprisioná-las lá no fundinho do coração.

          Remexer em tudo isso dói, mas liberta!!!!

          Maturidade é ter a capacidade de ir um pouco mais fundo no que incomoda pessoalmente e ter a coragem de descobrir que as feridas podem ser cicatrizadas, removidas por um amor incondicional a nós mesmos.

          Como bem o diz Dostoiévski, “A maior felicidade é conhecer a fonte da infelicidade”.

          A fonte da nossa identidade está nas qualidades do coração. Quando ele se fecha e se bloqueia, deixamos de sentir-nos amados e valorizados, e começam as feridas… Quando o coração se abre, sabemos quem somos, reconhecemos e apreciamos nossa verdadeira natureza. E, sentimo-nos amados e valorizados.

          Quando nos autoperdoamos, ou perdoamos o outro, vem o fluir da vida, seu perfume … seu sabor adocicado. E as feridas se vão … o coração volta a pulsar com ardor, renascido, de bem com a vida!

          E sua criança ferida se metamorfoseia na criança divina!


Deixe um comentário

A cura por meio da escrita

Escrever_Diario_Maturidade          Escrever sobre experiências traumáticas pode ajudar as pessoas a refletirem sobre si e sobre as situações, possibilitando a superação de dores físicas, emocionais ou psicológicas.

          Ao registrar eventos sob os quais nem sempre se consegue falar, é possível colocar os fatos em ordem cronológica e estabelecer nexos, como também ajudar as pessoas a descreverem detalhes de experiências negativas, a explicitarem sentimentos, tudo isso favorecendo a organização psíquica.

          Na escrita terapêutica, o objetivo é ajudar as pessoas a compreenderem melhor as questões que as inquietam, a aproximarem-se dos sintomas e da dor psíquica de forma protegida, traduzindo emoções em palavras.

          A técnica da escrita também é muito interessante para qualquer pessoa, independente do uso terapêutico em clínicas, pois o registro periódico de vivências favorece a cognição e o entendimento das experiências.

          Na maturidade, com as inúmeras mudanças físicas, hormonais, emocionais, sociais, familiares a que homens e mulheres são acometidos, o exercício da escrita alivia as tensões  e, principalmente, permite a reelaboração dos fatos e a reflexão, ampliando a compreensão e facilitando os relacionamentos.

          Como usar a técnica da escrita para cura?

1.     Durante alguns dias, a pessoa deverá escrever todos os dias, por uns 15 minutos, pensamentos suscitados por experiências traumáticas, ou pensamentos perturbadores de situações que a afligem, seja a perda de um ente querido, dificuldade de aceitação de mudanças, de doenças, inadequações no emprego, relacionamentos tumultuados, etc.

2.     Não deverá se preocupar com a qualidade do texto, tampouco com a ortografia, a gramática ou a estrutura do período. O importante é escrever tudo que incomoda, com a intensidade das emoções que emergirem.

3.     Uma vez iniciada a escrita, deverá prosseguir por uns dias, sem se deter.

          Depois de um tempo, a pessoa verificará que as emoções diminuem ou se modificam.

          Por que funciona?

          É muito difícil encontrar uma única explicação para um fenômeno tão complexo. Porém, especialistas reconhecem a mudança que a escrita é capaz de provocar na percepção de si.

          É um exercício mental que ajuda nas relações com os outros e consigo mesmo, ativando habilidades sociais, e maior facilidade para se expressar afetivamente. Isso porque houve um esvaziamento de emoções tumultuadas, como a raiva, a mágoa, a tristeza. Esses espaços começam a ser preenchidos com outra visão: de tolerância, de compreensão, de calma, etc.

          Essa técnica foi utilizada com pessoas que sofriam de asma, artrite reumática que, depois de quatro meses em uso, manifestaram uma nítida melhora nos sintomas: redução da dor e aumento da mobilidade, no caso da artrite reumática, e um incremento da capacidade pulmonar, no caso dos asmáticos. Uma possível explicação é o efeito da escrita sobre o sistema imunológico.

          Foi utilizada em diferentes situações e mostrou-se eficaz.

          Tive a oportunidade de sugeri-la a uma amiga que, na época, fazia quimioterapia por lutar contra um câncer de mama. Aconselhei-a a fazer o registro de sua revolta, sua dores, seus medos. Isso permitiu que as sensações e pensamentos negativos saíssem do seu corpo e no lugar deles, posteriormente, entrassem paz, amor dos amigos, aceitação e esperança de algo que poderia ser modificado e ela, felizmente, curou-se. O tratamento foi muito mais eficaz.

          A escrita para curar é uma técnica tão simples e à medida que colocamos no papel os desejos, as necessidades e as emoções, tudo se torna mais claro para compreendermos  e redirecionarmos nossas expectativas, nossas metas, nossos sonhos e sermos mais saudáveis e felizes.

          Vamos voltar a escrever o “velho diário”?

          Vamos tentar?


Deixe um comentário

Amigos de Fé

Amigos_Maturidade_2015

“As vezes nossa própria luz se apaga e é reacendida pela fagulha de outra pessoa. Todos temos motivos para pensar com uma profunda gratidão naqueles que acenderam a chama dentro de nós”

Albert Schweitzer

 

         

          Os amigos de fé não estão ligados obrigatoriamente a uma religião. São pessoas  que crêem na vida, na Energia Divina que a tudo permeia, na Luz como fonte de sabedoria, e formam uma grande Teia de Amor.

          Unidos por uma força maior, ao longo do tempo mantêm essa chama de amor acessa. Mesmo com diferentes religiosidades, ou diferentes níveis de consciência,  o respeito e amor incondicional que desenvolvem um pelo outro,  possibilitam aprimorar a forma de amar.

          O exercício do amor incondicional é uma conquista do espírito.

          Percebe-se muito bem isso na maturidade, quando mudam nossas perspectivas sobre a vida, quando  aquietamos nossa mente e abrimos mais nossos corações.

          Os amigos de fé muito colaboram para que nossas dores diminuam, nos momentos em que mais precisamos. O fato de estarem ao nosso lado na hora certa, com incentivos, com preces, com orientações, com vibrações, modificam nossos pensamentos e sentimentos para reagirmos com coragem, perseverança e fé aos desafios que a vida nos traz.

          Podem até mudar o rumo de nossas vidas e transformá-las para melhor!

          Saibamos agradecê-los, devolvendo para o mundo esse amor incondicional, compreensão e tolerância para com o próximo; fortificando essa Teia de Amor para que nada a rompa, somente seja ampliada por cada gesto de estender nossas mãos para todos.

          O Portal da Maturidade o convida para fazer parte dessa Teia de Amor em 2015, a ser um verdadeiro Amigo de Fé.

“Somos Luz. Somos filhos da Luz. Somos protegidos, iluminados, supridos e sustentados pela Luz, e nós abençoamos essa Luz”