Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima

Projeto Acolhimento – Bernarda e Lutero: O florescer do amor na velhice

3 Comentários

Bernarda e Lutero          Bernarda e Lutero são personagens idosos da novela Amor à vida, da Rede Globo, e estão mostrando, através da mídia, a possibilidade de vivenciar plenamente o amor na velhice.

          Viúvos, amigos, foram construindo mansamente esse amor de homem e mulher, por meio de uma amizade que estavam vivenciando tranquilamente, através de encontros no parque, passeando com o cachorrinho, almoços juntos, visitas da Bernarda para dar um jeitinho feminino na casa de Lutero.

          A feminilidade e os cuidados especiais de Bernarda com Lutero aguçou o seu olhar diferenciado para ela, pois ele tinha uma vida solitária, apesar de estar trabalhando como médico no hospital, decepcionado com amigos e também por ser considerado “velho gagá” pelo administrador do hospital.

          Nas conversas entre o dois, apareciam as decepções com os familiares, com o trabalho, e juntos, havia felicidade, compreensão, até que se apaixonaram e se declararam um para o outro.

          À princípio, Bernarda teve receio e talvez vergonha desse amor por ser idosa, até que Lutero a convida para ir morar com ele. E Bernarda decide passar a noite na casa dele. Essa cena foi realizada com muita delicadeza, beijos ternos, carinhos, respeito.

          O sexo veio, decorrente de um amor que aos poucos foi sendo construído pelos dois. E trouxe vitalidade e alegria para ambos, que assumiram esse “namoro” perante todos, mesmo à revelia da família de Bernarda.

          O que essa análise tem a ver com o Projeto Acolhimento?

          Pois é, a sexualidade é natural e em qualquer fase da vida. Abrimos um debate para sentir como o grupo dos cuidadores via a questão.

          Foi muito interessante as discussões. Houve prós e contras para o sexo na velhice.

          Foi dito que essa cena estava estimulando os idosos a transarem, e que já chega a liberação sexual com os jovens, agora vem com os velhos?!

          Que os velhos já são muito feios, que é impossível ter vontade de beijar alguém assim.

          Que os velhos não tem mais tesão. Que isso não é para avó e avô. Tal como a reação de um neto na novela: “A vovó virou piriguete?!”

          A maioria dos participantes foi a favor de se manter a sexualidade até quando se tiver vontade e possibilidade entre o casal.

          Na discussão, pudemos ver os preconceitos que nós ainda temos na maturidade, não aceitando essa vivência sexual, ou nos envergonhando de sentir desejos sexuais e externá-los.

          Sexualidade não é só fazer sexo. É externar carinho, abraçar, beijar, tocar, ter prazer de ficar juntinhos se curtindo.

          Foi deveras interessante a TV criar uma Bernarda inteligente, capaz de assumir sua sexualidade e se posicionar perante a sua família e um Lutero romântico, aceitando esse desafio sexual, mesmo com a ajuda de um “comprimidinho”, como ele disse.

          A nossa sociedade prioriza o belo, a jovialidade, como se somente com esses atributos as pessoas podem ser felizes e sexualmente desejáveis.

          Bernarda e Lutero estão nos mostrando que a vida pode ser diferente. Quebra o estigma da velhice isolada, sufocada, para uma velhice ativa, participativa, com voz e capacidadae de tomar decisões, principalmente nesse assunto.

          E você, que está na maturidade, o que sentiu e pensou quando assistiu esse capítulo do romance de Bernarda e Lutero chegarem às vias de fato na cama?

 

Anúncios

3 pensamentos sobre “Projeto Acolhimento – Bernarda e Lutero: O florescer do amor na velhice

  1. Oi sogrinha querida, adorei o post e gostaria de fazer um pequeno comentário. As vezes tendemos a pensar que a sexualidade está ligada ao físico da pessoa que nos atrai, mas isso é pura ilusão. Pelo menos para mim… e olha que o meu marido é lindo (aos meus olhos e aos de muit@s outras…). Mas, na verdade o amor e a consequente atração sexual está totalmente ligada a como “percebemos” essa pessoa.
    No meu caso, costumo dizer que quando o meu marido entra em casa, já estou fazendo amor com ele….hahahahaha. É a sua voz que me excita, seu cheiro, o sorriso quando me vê e me dá um beijo de “oi”. Isso tudo já é parte do ritual de “fazer amor”…
    Muitas vezes as queixas que temos dos nossos parceiros, agora falando de casais “razoavelmente jovens de IDADE”… são queixas relacionadas a imaturidade de alguma das partes, da falta de sensibilidade, da intolerância… E para trabalhar esses aspectos não existe melhor remédio do que o tempo. O que quero dizer com isso? Explico…
    No largo da minha vida de estudante eu conheci e tive o imenso prazer de dividir a sala de aula com muitos outros alunos de idade mais avançada que a minha; de 10, 20, 30 anos mais do que eu. E pude perceber que muitas vezes o tempo e a experiência de vida nos transforma em pessoas maravilhosas, sensíveis, tolerantes, pacientes, atenciosas e até mesmo muito mais abertas a escutar e a dividir vivências e histórias diversas.
    Considero que a paixão e a atração estão totalmente ligadas a estas características. Então… porque não se apaixonar de novo aos 70 anos? Aos 80 anos? Com tanta gente “bonita” por dentro e por fora… isso é muito saudável e muito bonito de ver.
    Meu coração se derrete quando vejo um casal de idade avançada tomando um café juntos, andando de mãos dadas pela rua, beijando-se, e fazendo evidente essa atração para que todos possam ver. Isso é estar vivo!!!

    • Querida Lilian, como você conseguiu se manifestar maravilhosamente! Faço minhas as suas palavras. Muitas pessoas vêem a sexualidade somente na cama, mas é algo tão mais abrangente. Está no olhar, no tato , no carinho e atenção diários, no perceber os sentimentos do outro e partilhá-lo.Muitos casamentos se desfazem por falta desta “intimidade sexual”, porque não tentam manifestá-la. Parece que a nova maturidade está nos ensinando a amar, a não ter vergonha de exprimir seus sentimentos, de mostrar que ser feliz. Obrigada, minha nora querida, pela sua participação.

  2. Pingback: Bernarda e Lutero: O florescer do amor na velhice | Portal do Envelhecimento

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s