Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima


1 comentário

Idosos – Quando é aconselhável colocar em clínica ou pensionato?

Idoso_Maturidade          Já comentei em artigos anteriores, a importância da família acolher seu idoso. Acredito que ainda é a melhor solução. Mas, com os problemas da saúde se agravando, começa a ficar difícil o bom atendimento. Atender a pessoa idosa nas 24h é desgastante por demais, principalmente quando somente um ou dois familiares participam desse processo.

          Dificilmente há revezamento entre os membros da família para auxiliar. Cada um apresenta um impecilho, e com isso, há uma sobrecarga para os cuidadores – familiares.

          Uma medida saudável é colocar um cuidador especializado na casa. Ou dois, um para acompanhar durante o dia e outro à noite. Há pessoas que não gostam de ter estranhos em casa, porque muda-se a rotina do lar, perde-se a intimidade.

          Assim, os cuidadores-familiares assumem as tarefas com seu ente idoso querido, e esquecem muitas vezes de si mesmos, negligenciam seus compromissos pessoais e também profissionais.

          A maioria das pessoas trabalham fora, ou têm que dar conta das atividades domésticas, dos filhos, etc. Acolher um idoso que ainda tem autonomia para andar, tomar banho, não modifica muito o dia-a-dia da casa. Mas, quando o idoso requer atenção especial contínua, como horas certas para os medicamentos, dar banho, trocar as fraldas, alimentá-lo, levar para exames, médicos, o cansaço físico, emocional e o desgaste psicológico dos cuidadores-familiares começam a se manifestar e a paciência e tolerância diminuem sensivelmente.

           E os cuidadores-familiares se sentem culpados por não conseguirem dar conta das tarefas. E ao mesmo tempo, querem sua vida de volta, participar das atividades da família.

          Hoje, devido a longevidade humana, são pessoas de 60-70 anos cuidando de pais de 80-90 anos em diante.

          Nesse momento, aconselho procurar um local onde podemos instalar confortavelmente esse idoso querido.

          Procurar uma clínica ou pensionato, conforme as necessidades do idoso e os valores familiares. Há inúmeras clínicas, com atendimentos diferenciados. Escolha aquela que mais você acha que “seu idoso” irá ser bem atendido, e ficará bem.

          É fundamental preparar-se para essa tomada de decisão. Levar o idoso para uma clínica é uma coisa; deixá-lo lá, sem visitá-lo,  sem lhe dar um suporte afetivo, é outra coisa.

          À medida que o ente querido vai se adaptando na nova moradia, com as visitas freqüentes da família, tudo se acalma. E, vê-lo bem atendido, faz com que os familiares tenham mais tempo para usufruir da companhia desse idoso com mais prazer, mais afetividade.

          Temos de assimilar esses novos modelos de convivência, nos preparando para o dia de amanhã, sem medo, e com consciência de que hoje são eles , mas daqui uns anos, seremos nós a sermos cuidados.

          Sugestão de leitura: O lugar escuro – Uma história de senilidade e loucura – Heloísa Seixas – Objetiva, 2007.

Anúncios


Deixe um comentário

Amor é doação! Vamos sair da zona de conforto?

Cuidar_idoso_maturidade          À medida que se está próximo da velhice, percebe-se que para a grande maioria das pessoas, é comum um grau de dependência dos filhos, parentes e amigos.

          Param de guiar, de viajarem sozinhos, começam a ter dificuldades de lidar com as novas tecnologias, principalmente pessoas que nunca foram ousadas, entusiastas em aprender coisas novas.

          Atualmente é grande o número de pessoas idosas que moram sozinhos e isso lhes causam muitas preocupações pelo fato de não saberem como reagir, onde ficar quando vierem algumas vicissitudes da vida, como doenças, depressão, etc.

          A família, mesmo passando por significativas mudanças, é a melhor alternativa para acolher o idoso.

          Deixar, muitas vezes, sua zona de conforto para ajudar, exige amor.

          Amor é doação do nosso melhor para ir ao encontro do outro, bem mais velho, para ajudá-lo nas suas necessidades, partilhar das suas alegrias e tristezas, das suas preocupações e minimizá-las.

          Recentemente, vi um vídeo do Pe. Fábio, onde ele perguntava: “Quem nos amará de verdade na velhice? Quem nos acolherá e manterá nosso valor, mesmo que já não tenhamos utilidade? Quem será capaz de tolerar nossa inutilidade?”

          As questões levantadas pelo Pe. Fábio, respondem ao verdadeiro significado do amor.

“Quem nos colocará para tomar sol? E sobretudo, quem nos tirará do sol?”