Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima


1 comentário

Curando velhas feridas…

Curar feridas coração Maturidade

“O homem quer ser feliz mesmo quando vive de modo a impossibilitar a felicidade”.

Santo Agostinho    

         

          A maturidade é uma fase muito especial para nos conhecermos verdadeiramente, para retirarmos as vendas dos olhos, aguçarmos a visão interna e abrirmos o coração para o autoperdão.

          Nos revezes da vida, acusamos, na maioria das vezes, o outro, pelo fato das coisas acontecerem de determinada maneira, e não do jeito que queríamos. A culpa é sempre do outro.

          Raras vezes observamos nossas atitudes e as reações que elas causam nas pessoas que nos rodeiam. Só vemos o outro. E assim, vamos acumulando raivas, tristezas, inseguranças, abrindo feridas emocionais que com o passar do tempo, somatizam-se em doenças.

          Procuramos ignorar o que sentimos, valorizando o imediatismo, o que vem de fora para cegar ainda mais nossos olhos com a normose social.

          A maturidade favorece a reflexão do que fizemos no transcorrer da nossa vida: o que semeamos, o que regamos e o que colhemos. Daí, para a velhice, é possível uma nova metamorfose: o que posso mudar em mim, ou acrescentar na minha vida, que me fará muito mais feliz e saudável?

          Chegou a hora da introspecção!!!

          Ter calma, tranquilidade para nos ouvirmos e termos coragem de conhecer quem somos efetivamente, sem máscaras, sem receio.

          Essa conscientização é fundamental para nós. É tempo de corrigir o rumo da nossa existência, sem pressa, mas caminhando… É tempo de encarar honestamente as feridas que continuam abertas e que tentamos aprisioná-las lá no fundinho do coração.

          Remexer em tudo isso dói, mas liberta!!!!

          Maturidade é ter a capacidade de ir um pouco mais fundo no que incomoda pessoalmente e ter a coragem de descobrir que as feridas podem ser cicatrizadas, removidas por um amor incondicional a nós mesmos.

          Como bem o diz Dostoiévski, “A maior felicidade é conhecer a fonte da infelicidade”.

          A fonte da nossa identidade está nas qualidades do coração. Quando ele se fecha e se bloqueia, deixamos de sentir-nos amados e valorizados, e começam as feridas… Quando o coração se abre, sabemos quem somos, reconhecemos e apreciamos nossa verdadeira natureza. E, sentimo-nos amados e valorizados.

          Quando nos autoperdoamos, ou perdoamos o outro, vem o fluir da vida, seu perfume … seu sabor adocicado. E as feridas se vão … o coração volta a pulsar com ardor, renascido, de bem com a vida!

          E sua criança ferida se metamorfoseia na criança divina!


1 comentário

Projeto Acolhimento – Reagindo à dificuldades e mudanças

          O ambiente foi preparado de maneira bem acolhedora, com uma mandala de alecrim no centro do grupo, para trazer otimismo, vigor e alegria. E à sua volta, várias mandalas de papel .

Mandala_Acolhimento_Maturidade

          A turma foi chegando de mansinho e nos presenteando com docinhos super saborosos, melissa natural e galhos de orquídeas. E um chá perfumado de rosa silvestre com hibisco. Logo no início já reinava muita harmonia. Sinto que o GRUPO se formou.

          Acomodadas no círculo, iniciei o trabalho com uma meditação de mandala da natureza. Escolhi a “A Árvore após o vento e o repouso em meio à mudança”, para ampliarmos a consciência e encontrarmos a paz de espírito nas belezas naturais:

          Pense em uma árvore açoitada pelo vento de outono, suas folhas marrons ou castanho-avermelhadas agitando-se para lá e para cá, muitas vezes se tocando ou se desprendendo dos galhos. Essa é a imagem das frívolas preocupações que você tem. Agora imagine o vento diminuindo e os galhos da árvore aos poucos se agitando, até parar de se movimentar. Umas poucas folhas ainda flutuam em direção ao solo, mas essas são as últimas a cair. O ar agora está parado e tudo está calmo.

          A árvore continua majestosa, sendo gloriosamente ela mesma, apesar de ter perdido muitas de suas folhas. Ela agora está tão quieta que você consegue ouvir até mesmo os cantos dos pássaros – e reconhece o canto de um bem-te-vi. As suas preocupações caem por terra, assim como as folhas caíram da árvore. Você está em paz.

          Em seguida, uma pessoa de cada vez, escolheu uma mandala que estava na roda do centro, para pintá-la, colocando toda sua emoção do momento.

maos_Acolhimento_Maturidade

          Quando estavam pintando, podia-se notar uma grande concentração e silêncio. Muitas participantes comentaram que não pintavam desde seus tempos de escola, há mais de 50 anos, que tampouco com os netos faziam isso e gostaram de resgatar essa possibilidade. Brinquei com elas, dizendo que o Dia das Crianças estava chegando, e era hora de presentear a Criança Interior delas, dando-lhes uma caixa de lápis de cor para elas se divertirem.

          

Foto3

          Deram um nome para suas mandalas: Amor – Perseverança – Alegria – Sentimentos contraditórios – Gratidão – Girassol – Desabrochar – Esperança – Infância – Olho de Bem-Te-Vi e partilharam que se sentiam em paz, tranquilas e confiantes.

          Algumas das participantes contaram mudanças importantes e benéficas que estão ocorrendo com elas e nas famílias, e assim, fechamos a reunião com uma prece de agradecimento e muitos abraços.

          Como uma árvore, sermos sacolejados por uma tempestade e após o vento, ganhos e perdas, prazer e tristeza, que vêm e vão como o vento, repousar em meio à mudança.

          E o projeto acolhimento continua ….até a próxima quinta-feira