Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima


Deixe um comentário

Workshop de Eneagrama

Eneagrama - Portaldamaturidade“Busque o melhor que há dentro de si e transforme sua vida”

• Quer aprender a superar as dificuldades?

• Quer aprender como você age e reage?

• Quer potencializar sua autoconfiança?

Aprenda a encontrar respostas para essas e outras questões por meio do Eneagrama!

Sobre o Workshop

          O Eneagrama é um instrumento milenar de autoconhecimento que ajuda a perceber quem somos na personalidade e na essência. Serão apresentados os nove tipos de personalidade e seus padrões de comportamento, de forma a entender quem somos e desenvolver relações mais saudáveis e produtivas.

Como acontece

A metodologia inclui:

• Conceituação teórica

• Dinâmica de grupo

• Partilha

Data: Sábado, 9 de junho, das 9:00 às 13:00h

Endereço: Avenida Santo Antonio, 2153, sala 73. Edifício Ametista, Bela Vista, Osasco – SP

Informações e Inscrições: (11) 97195-0300 ou (11) 99603-7651

Investimento: R$ 80,00

Facilitadora: Carmem Andrade

Pós graduada em Psicologia Transpessoal Especialista em Eneagrama Coach de vida e orientação de Carreira

Anúncios


4 Comentários

Ancestralidade – Como ela se manifesta? Como ela age em nossas vidas?

Ancestralidade_Maturidade          Participar do estudo sobre ancestralidade nos dias 20 e 21 de fevereiro desse ano, e conhecer o olhar da Psicologia Transpessoal sobre esse assunto, enriqueceu muito a minha vida e meu trabalho terapêutico.

          Há tempos estava motivada e interessada em conhecer  a influência dos nossos antepassados sobre nós. E finalmente, chegou a oportunidade e pude usufruí-la plenamente.

          Ter chance de olhar a nossa história cultural, racial, biológica, e redirecioná-la, nos ajuda no processo de transformação da nossa vivência no presente.

          Ancestralidade é tudo o que nos antecedeu, que está no passado, nossos antepassados.

          Biológica e geneticamente, a nossa sobrevivência física se deve aos fatores saudáveis que permitiram a descendência familiar. Isso não exclui estar vivendo atualmente, dificuldades, desafios, sofrimentos intensos em muitas situações na vida e que podem ter raízes na ancestralidade, por meio de repetições de padrões de comportamentos.

          A nossa existência física no dia de hoje só foi possível graças aos esforços destas pessoas que nos antecederam em nossa linhagem biológica, mesmo que nesse percurso, tiveram inúmeras ações equivocadas, inadequadas.

          Com técnicas e dinâmicas transpessoais é possível conhecer nossa ancestralidade e isso nos traz  consciência do padrão que estamos privilegiando, ou seja, que energia dos antepassados estamos alimentando em nossa vida presente. Muitas vezes, é necessário desativar algumas dessas forças dos nossos ancestrais.

          Temos, portanto, um grande legado de ancestralidade que de certa forma nos influencia em sermos quem somos, e a escolha que fazemos; padrões que utilizamos que dificultam nossa vida, nossos relacionamentos , nossa atuação profissional. Escolhas estas que irão da mesma forma exercer influência em nossos descendentes, por algumas gerações.

          Daí a importância de conhecer nossa ancestralidade: que qualidades nossos antepassados nos legaram? que hábitos? quais as doenças que persistem em nossas famílias? Por exemplo, se temos imigrantes europeus na nossa linhagem, de que país vieram? quais eram os seus costumes e se ainda existem ma sua atual família? se vieram refugiados, na pós-guerra? o medo ou a ousadia que trouxeram de tudo isso, terão influência em nós e nos nossos descendentes.

          Segundo a Abordagem Integrativa Transpessoal há vários tipos de ancestrais que nos influenciam:

Genéticos, biológicos

Espirituais

De indivíduos adotados

Étnicos ou raciais

Históricos

Míticos

Cósmicos e planetários

          A Psicologia Transpessoal, nos aponta que estamos em constante metamorfose, e que a energia é atemporal na ancestralidade: através de mim, da minha atuação e abertura para a ancestralidade, conhecendo-a, trabalhando com ela, para eliminar alguns padrões, ou fortalecer outras qualidades, curamos os nossos descendentes e os antecedentes. Daí a importância da terapia transpessoal com a ancestralidade, quando se faz necessário.

          Pelo estudo da ancestralidade, e conhecendo melhor nossos antepassados, aprendemos que nós temos de reverenciar a vida recebida, honrando nossos antepassados e a importância de se trabalhar na transformação do que foi disfuncional, para que nossos descendentes tenham um legado melhor.

          E na Terapia Transpessoal temos possibilidades de ajudar nesse processo de cura.


1 comentário

Curso Presencial – Ressignificar os Medos na Maturidade

          Os medos que afloram na maturidade são advindos de todas as experiências ao longo da vida, somados aos do estigma da velhice e aos novos medos, que estão surgindo de uma longevidade que ultrapassa os 100 anos.

          Enfrentemos os medos nesse curso, com uma abordagem transpessoal, através de confecções de mandalas, dança e vivências especiais.

Inscrições ou informação:

email: mariuzapelima@yahoo.com.br

Tel:  (011) 99603 – 7651

Curso Ressignificar Maturidade


Deixe um comentário

Normose – Normalidade pode ser patológica?

          Normose_MaturidadeO labirinto é uma bela imagem da nossa vida, do desejo que nos faz avançar e do medo que nos faz recuar. Muitas vezes, no labirinto de nossas vidas, sentimo-nos perdidos. Temos a impressão de que não caminhamos, não avançamos, de que estamos regredindo.

          Quando recebemos o convite para nos levantarmos, caminharmos, despertarmos do nosso “sono”, atravessarmos esse labirinto, existe algo dentro de nós que resiste. Essa força que resiste é o que chamamos de normose.

          A normose nos impede de nos tornarmos realmente o que somos. Termo usado na Psicologia Transpessoal, é um conjunto de normas, conceitos, valores, estereótipos, hábitos de pensar ou de agir aprovados por um consenso ou pela maioria das pessoas de uma determinada sociedade, que levam a sofrimentos, doenças e mortes.

          Popularmente falando, normose é fazer e pensar tudo aquilo que os outros fazem e pensam, sem sair desse esquema. Sair da normose, transgredir seus limites asfixiantes, exigirá de nós um herói ou uma heroína! Como a normose é dotada de um consenso social, as pessoas não percebem seu caráter patogênico. O que os outros vão pensar se eu agir diferente de todos?

          A normose, então, é uma normalidade doentia. Ela nos esmaga, aprisiona em troca de status, de poder, reconhecimento social, de pertencimento a grupos, mas impede totalmente nossa evolução como seres pensantes, co-criadores e espirituais.

          E como sair da normose? Como buscar nossa autenticidade, nossa felicidade? Como podemos perder o medo da nossa própria grandeza para não recusarmos o nosso ser essencial?

          É dando-nos oportunidade de nos interrogarmos sobre nós mesmos, sobre o que cada um de nós tem de particular e único, o que cada um tem a fazer nesta vida, nossa missão, que pessoa alguma pode fazer em seu lugar.

          É recusar ficar deitado e escutar aquela voz que nos convoca: “Levanta-te”!

          A normose faz de nós seres que não querem tornar-se adultos, diferenciarem-se, que preferem permanecer no conhecido, que têm medo do desconhecido.

          O fato de não nos tornarmos nós mesmos pode gerar consequências não apenas no nosso interior, mas também em torno de nós. O maior serviço que podemos prestar aos outros é tornar-nos nós mesmos, porque se não o fizermos haverá distúrbios à nossa volta.

          Há momentos em nossa vida em que não podemos mais fugir. Não temos mais saída. É preciso encarar as nossas responsabilidades e não responsabilizar os outros pelas consequências dos nossos atos.

          É preciso olhar de frente os nossos medos e encará-los. Este é o combate do herói e da heroína! E assim saímos da normose e garantimos nossa evolução como seres em sua jornada.