Portal da Maturidade

Tudo sobre Maturidade, por Mariúza Pelloso Lima


Deixe um comentário

Projeto Leituras – Livro AUSÊNCIA

Ausência_Maturidade

 

 

Apreciação do livro AUSÊNCIA

Autora: Flávia Cristina Simonelli

 

 

 

“O que é um homem sem memória?

Um homem que não se reconhece mais em nenhum tempo, nenhum lugar, nenhum rosto?”

          O romance entrelaça a vida do médico neuropsiquiatra Daniel com a da  família do paciente prof. Ervin de Apolinário, a esposa Margarida e a filha, Natasha.

          Mostra a relutância do Dr. Daniel em tratar do paciente pelo fato de reavivar em sua memória antigas dores – perda da avó que amava muito, com a mesma doença degenerativa e a dificuldade dele em compreender as atitudes dela provocadas pela doença, quando ainda ele era pequeno. E a paixão que nasce entre ele e Natasha, desestruturando seu casamento com Milena, como também o faz indagar Quem sou eu, afinal?

“São as crises que nos põem em movimento.

… Eu acho que a gente no fundo tem medo de ser feliz.

Foge-se da felicidade inventando mil desculpas.”

 

          E as situações difíceis que vão surgindo para a família com o avanço da doença do prof. Ervin, nos esclarecem e nos orientam como prováveis cuidadores de alguém próximo.

“A gente precisa fazer escolhas na vida.

Nem sempre uma escolha é a melhor, mas a necessária.

Sua mãe não pode mais ficar responsável pelos cuidados de Ervin. A clinica recomendada vai devolver a tranqüilidade para vocês.”

“A senhora não o largou. Não pode mais assumir essa situação sozinha.

Aqui ele está muito bem amparado e a senhora vem com freqüência,

está ao lado dele.”

“Pelo fato do Alzheimer ser uma doença sem volta, dá essa sensação de impotência. Mas a única coisa que podemos fazer, além da medicação e do acompanhamento médico, é trazer conforto para a pessoa.

E para isso, quem cuida precisa estar bem,

precisa ter momentos de descanso.

O cansaço e a irritação só fazem mal ao paciente e ao cuidador.

Perder a consciência é perder todas as referências que se teve na vida.

É olhar para o mundo e não se reconhecer.

O que eu sinto, é que meu pai não nos ama mais, porque não nos reconhece.

Como se pode perder o amor?”

 

          Esse romance é uma oportunidade de conhecermos um pouco mais sobre a doença de Alzheimer e refletirmos sobre nosso estilo de vida, de como enfrentamos as adversidade: nos rendemos ao medo ou enfrentamos os desafios? Temos flexibilidade para novas e necessárias adaptações?

          Fiquei com muita vontade de conhecer a autora, pela competência e sensibilidade com que abordou o tema. Vamos nos encontrar. Você gostaria de participar desse encontro?

Anúncios


Deixe um comentário

Projeto Leituras – A Guerra de Clara

A Guerra de Clara_Maturidade

“A Guerra de Clara”

Clara Kramer  –  Ediouro

 

          É uma história incrível e real de uma família judia que foi salva do holocausto por uma pessoa anti-semita.

          Em 1942, quando o exército nazista invade a Polônia, os judeus do vilarejo Zolkiew, são perseguidos, assassinados ou enviados a campos de concentração.

          Clara Kramer, desde os 13 anos conheceu essa triste realidade de guerra e perseguição e durante dezoito meses ficou confinada, junto com sua família e mais alguns judeus, em um subsolo da residência do senhor Beck, um beberrão anti-semita, que assumiu a tarefa de ocultar e protegê-los, mediante pagamentos mensais.

          É um livro que narra muitos dos costumes dos judeus, e como conseguiram permanecer unidos nas grandes dificuldades: fome, miséria, onde faltavam os recursos mínimos para sobrevivência.

          É impressionante como a solidariedade e as traições se exarcebam na guerra! Confiar em quem?

          E a figura do senhor Beck, sua gradativa mudança e envolvimento com as famílias judias, chegando arriscar sua vida e de sua família.

          Uma das belas orações rezadas na abertura do serviço de Yizkor (rezas pelos mortos, que eram muitos na ocasião) no abrigo do subsolo:

“Senhor, que é o homem, para que Vós o reconheçais?

O filhos de um frágil humano que  levais em conta?

 

Qual um sopro é o homem; uma sombra fugaz são seus dias.

Pela manhã, desabrocha e rejuvenesce,

Pela tarde, é cortado e se enrijece.

 

Segundo a soma de nossos dias, que Vós possais nos instruir;

Assim iremos adquirir um sábio coração.

 

Protegei o perfeito e velai pelo correto,

Pois o destino do homem é a paz.

 

Mas Deus regatará minha alma do poder do submundo,

Pois Ele me tomará, selah!

Minha carne meu coração sentem saudades,

Rocha de meu coração, e minha sina, eternamente, é Deus.

 

Então, assim sendo, o pó retorna ao pó,

E o espírito retorna a Deus, que o facultou.”


Deixe um comentário

Projeto Leituras – Cruzando o Caminho do Sol

Cruzando o caminho do sol_Maturidade

 

“Cruzando o Caminho do Sol”

Corban Addison

 

          “Ahalya fixou o olhar em um ponto do assoalho, tremendo. Ela não conseguia olhar para o homem que a havia comprado. Ele se aproximou e ergueu seu queixo até que ela olhasse em seus olhos. _ Essa é sua noite de núpcias _ ele disse, jogando-a de costas sobre a cama.”

          Ahalya despertou no dia de Ano-Novo como um pássaro de asa quebrada… A alegria havia desaparecido de sua voz… Somente Sita permanecia concentrada. Ahalya se surpreendeu com a estabilidade emocional de sua irmã. Era como ela houvesse amadurecido anos numa questão de dias…. Sita cantou canções e declamou versos das poesias favoritas de Ahalya:”

“Aqui, ó meu coração, queimaremos os sonhos que estão mortos,
Aqui nesta floresta ergueremos uma pira funerária,
De pétalas brancas e folhas caídas já maduras e vermelhas,
Aqui os queimaremos com todas as tochas de fogo do sol do meio-dia.”

          A história desse livro é sobre duas irmãs – Ahalya e Sita – adolescentes de classe média alta que viviam tranquilamente junto com seus familiares, na Índia, até que um tsunami destrói a costa leste de seu país, ceifando a vida de seus pais e avó.

          Sozinhas, elas tentam encontrar um modo de recomeçar a vida, mas são vítimas do tráfico internacional de jovens.

          Mantidas em cativeiro pelo tráfico sexual, suas vidas se cruzam com o advogado Thomas Clark, do outro lado do mundo, em Washington, que está enfrentando uma crise em sua vida pessoal e profissional, e decide mudar radicalmente, indo para a Índia trabalhar em uma ONG que denuncia o tráfico de pessoas e para tentar reatar com sua esposa, que o abandonou.

          Cruzando o Caminho do Sol denuncia o submundo da escravidão moderna, uma terrível rede internacional de criminosos. E nos reforça que é possível, com uma luta incansável e um trabalho heróico de homens e mulheres do mundo inteiro, salvar muitas pessoas desses cativeiros e destruí-los.

          É uma literatura emocionante, onde os labirintos no submundo do tráfico humano se chocam com os laços de família e a persistência do amor.

“Nós ultrapassamos os limites mais longínquos da escuridão;
A aurora espalha sua luz radiante como uma teia.”
Rig Veda


2 Comentários

Jardim de Inverno – Escolhas na vida!

Jardim de inverno Maturidade

Jardim de inverno

Kristin Hannah

 

          “Nós, mulheres, fazemos escolhas pelos outros, não por nós mesmas. E quando somos mães, nós suportamos o que for preciso por nossos filhos”.

          “Eu cometi o erro de viver para outras pessoas…e hoje elas estão tão ocupadas com suas próprias vidas que mal me telefonam…”

          “Eu tenho 81 anos e estou contando a história da minha vida para minhas filhas. Todo ano, eu pensava que era tarde demais para começar, que havia esperado demais. Mas agora, Nina não aceita um não como resposta”.

          “Não espere nunca. Olhe para mim. Eu sou o que o medo faz com uma mulher. Você quer terminar como eu?”

          ” Quando havia parado de falar com ele sobre nossos sonhos? E por quê? “

          O livro retrata a história de duas irmãs, suas escolhas no percurso da vida e a dificuldade de relacionamento com a mãe. O pai, na hora da morte, insiste para que suas filhas conheçam sua mãe, pedindo que ela conte a história da camponesa e do príncipe, mas a história inteira.

          A verdade é que Anya, a mãe, teve um motivo muito forte para ser assim, envolvendo sua vida na gelada Leningrado da Segunda Guerra e o frio do Alasca.

          Ria e chore com a história de mãe e filhas que se descobrem no último momento.

          Boa leitura!!!